O Paradoxo da Moral

Editora: WMF Martins Fontes

Autor: Vladimir Jankélévitch

ISBN: 9788578270278

R$100,00
ADICIONAR AO CARRINHO

Disponibilidade: Pronta Entrega

Nº de Páginas: 252

Encadernação: Brochura

Ano:

Título: O Paradoxo da Moral

Editora:WMF Martins Fontes

Autor: Vladimir Jankélévitch

ISBN: 9788578270278

Disponibilidade: Pronta Entrega

Nº de Páginas: 252

Encadernação: Brochura

Ano:

Resenha:
Para Jankélévitch, a filosofia moral - que é o primeiro problema da filosofia - se apresenta ao pensador que se aventurar a pensar a moral como o cúmulo da ambigüidade e do inapreensível. Ao invés de apresentar mais um tratado de filosofia moral, o autor extrai e expõe a infinita cadeia de contradições e paradoxos que habitam a consciência do homem; ele não atribui soluções ao impasse em que estas contradições nos colocam, mas nos incita a submergir na ação e a viver com clareza até o final esta tensão inevitável entra a entrega (o amor) e o egoísmo (o ser) e entre o dever e o direito. O Paradoxo da Moral, um dos últimos livros do autor, propõe uma reflexão que é contrária a toda idéia preconcebida e que tira o equilíbrio e desconcerta o incauto ou o desprevenido, que, logo no início, perde de vista o mundo granítico das verdades predeterminadas.
Sobre o autor
Vladimir Jankélévitch (1903-1985), filósofo francês de origem russa, nascido em Bourges. Seu pai foi tradutor de Freud, Hegel e Schelling. Jankélévitch estudou na École Normale Supérieur e foi professor da Sorbonne (cátedra de filosofia moral) de 1951 a 1979. Expulso do corpo docente da universidade de Toulouse por ser judeu, participou ativamente da resistência antinazista. Também foi estudioso da música, essencialmente russa e francesa, que é inseparável do seu pensamento. Escreveu, entre outros: La Mauvaise conscience, Traité des vertus, Debussy et le mystère de l´instant e Curso de filosofia moral. Seu pensamento foi muito influenciado por Henri Bergson (sobre quem escreveu seu primeiro livro, Henri Bergson. Marcou várias gerações de estudantes da Sorbonne com seus cursos de moral e metafísica, com sua personalidade e a maneira inusual de abordar a música dos séculos 19 e 20. Filósofo combatente, aliou as lutas do seu século (resistência, memória do indizível) à sua vida. Seu combate era de fazer reconhecer a primazia da moral sobre outras instâncias. Apaixonado pela música, sua reflexão é tanto filosófica como estética. Jankélévitch desenvolveu uma reflexão sobre a existência da consciência no tempo. Fazendo variações em torno de alguns temas dominantes - o tempo e a morte, a pureza e o equívoco, a música e o inefável - a filosofia de Jankélévitch se esforça para exprimir a precariedade da existência.

Ética no Direito

Filosofia

Introdução ao Direito -> Filosofia do Direito

Religião