A Cegueira da Justiça - Diálogo Iconográfico entre Arte e Direito

Editora: Sergio Antonio Fabris Editor

Autor: Marcílio Toscano Franca Filho

ISBN: 9788575255629

R$74,00
ADICIONAR AO CARRINHO

Disponibilidade: Pronta Entrega

Nº de Páginas: 98

Encadernação: Capa Dura

Ano: 2011

Título: A Cegueira da Justiça - Diálogo Iconográfico entre Arte e Direito

Editora:Sergio Antonio Fabris Editor

Autor: Marcílio Toscano Franca Filho

ISBN: 9788575255629

Disponibilidade: Pronta Entrega

Nº de Páginas: 98

Encadernação: Capa Dura

Ano: 2011

Resenha:
Cuida-se neste livro de um ensaio, um ensaio sobre a cegueira da justiça, um escrito breve e flexível, situado algures entre a meditação poética e o exercício dogmático. A escritura deste ensaio vem sendo tecida há muitos anos, em muitos lugares - Florença, Genebra, Bolonha, Veneza, Paris, Boston, Berna, Haia, Londres... Longe de significar qualquer falta de unidade ou harmonia entre as distintas partes deste ensaio, essa circunstância explica, sim, a multiplicidade de influências, referências e literaturas costuradas ao longo do texto, uma cosedura feita com a linha das conclusões desprovidas de pressa.

É um dever registrar os meus agradecimentos à Profa. Maria das Neves Franca, do Centro Universitário de João Pessoa, por ter-me um dia mostrado a beleza da poesia em Pessoa, Cortázar e Borges; ao historiador Tomaso Pascucci, pesquisador do Instituto Universitário Europeu de Florença, pelos diálogos sempre fecundos a respeito dos usos da imagem e da iconologia nas ciências humanas e sociais, e ao Prof. Dr. Milton Marques Júnior, da Universidade Federal da Paraíba, pelas preciosas observações críticas a respeito das línguas e mitologias clássicas. O maior dos agradecimentos, porém, é devido a Alessandra, que me dá as melhores idéias, e a Davi e Théo, cuja presença amorosa confere o melhor sentido às coisas que faço. Aliás, foi Davi quem, ao saber que eu acabara de concluir um livro sobre a cegueira da justiça, logo me advertiu que o método braille fora inventado por Louis Braille, justamente com a mesma ferramenta que havia cegado o francês aos três anos de idade. E concluiu: "a lição disso, pai, é que a mesma coisa que cega, às vezes faz enxergar".


SUMÁRIO

Obiter Dicta
1. Introdução: Ver, Falar, Calar e Dizer
2. Jus e(s)t Ars: da Simbólica do Direito à Visualidade Jurídica
3. Venda e Olho na Iconografia da Justiça
4. Conclusão: Pensar a Arte e Sentir o Direito
5. Referências Bibliográficas


Marcílio Toscano Franca Filho

Pós-Doutor (Instituto Universitário Europeu, Florença, 2008, Calouste Gulbenkian Post-Doctoral Fellow), Doutor (Universidade de Coimbra, 2006, FCT) e Mestre (UFPB, 1999) em Direito. Professor do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Procurador-Geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. Membro da International Association of Constitutional Law, da International Studies Association e do ramo brasileiro da International Law Association. Foi aluno (Gasthörer) da Universidade Livre de Berlim (Alemanha), estagiário-visitante do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias (Luxemburgo) e consultor jurídico (Legal Advisor) da Missão da ONU em Timor-Leste (UNOTIL) e do Banco Mundial (PFMCBP/Timor).

Ética no Direito

Introdução ao Direito -> Filosofia do Direito

Introdução ao Direito -> História do Direito

Introdução ao Direito -> Vocabulário Jurídico